Aromaterapia

A Aromaterapia é uma terapia complementar que proporciona sensação de bem-estar, tanto físico quanto psicológico, com a utilização de óleos essenciais.

Aromaterapia

Nela se evidencia que há ligações entre o olfato e os sentimentos. Ao inalar os aromas, os canais olfativos mandam a mensagem diretamente para o sistema límbico, a parte do sistema nervoso que é responsável pelas emoções. Depois disso, o cérebro reage às propriedade aromáticas, modificando o humor ou o estado de espírito de alguém.

Sendo assim, é possível que uma pessoa triste ou desanimada fique mais alegre ou que alguém agressivo sinta-se calmo e relaxado ao sentir o cheiro de óleos específicos para esse estado mental.

Para cada técnica existe um modo de aplicação e uma metodologia específica. Para definir o modo mais adequado, o ideal é marcar uma consulta conosco, que levará em conta a substância utilizada, a finalidade e o histórico médico do paciente para evitar possíveis efeitos indesejados.

A terapia que trabalha por meio de aromas é praticada desde o Egito antigo por diversos povos. No entanto, é importante não confundir óleos essenciais com essências – que não possuem qualquer tipo de efeito.

Os óleos essenciais são feitos a partir de plantas medicinais e possuem efeitos terapêuticos, já estudados e comprovados pela ciência. A Aromaterapia pode ser utilizada todas as vezes que a pessoa sentir necessidade de buscar algum tipo de efeito terapêutico para sua vida.

O ideal é lançar mão dos óleos que têm mais a ver com seu momento ou ambiente no qual se encontra. Cada um oferece uma propriedade diferente e faz sentir várias sensações.

Como Funciona?

Alguns óleos essenciais são muito concentrados e não devem ser utilizados em contato direto com a pele, outros devem ser aplicados diretamente sobre a pele, de acordo com a orientação do terapeuta.

Aromaterapia

Para praticar a Aromaterapia em casa ou no trabalho, por exemplo, opte por um difusor de ambiente ou aromatizador, que podem ser elétricos ou à base de velas, e têm efeito prolongado.

Benefícios

O médico francês Jean Valnet foi outra personalidade que marcou a história da aromaterapia. Ele descobriu que os óleos essenciais contêm propriedades cicatrizantes, antivirais, antibacterianas, antifúngicas e antissépticas.

Já a bioquímica Margaret Maury foi pioneira e inseriu sua visão holística na aromaterapia, com a aplicação de massagens de acordo com as características da personalidade do paciente. Em 1978, o Dr. Paul Belaiche publicou sobre o uso clínico de óleos essenciais no tratamento de doenças infecciosas e degenerativas.

O químico francês Henri Viaud, por sua vez, foi o responsável pela publicação de critérios de pureza e qualidade que os óleos essenciais têm de cumprir para serem adequados a fins médicos.

ORIGEM

Ao que tudo indica, o Egito foi o berço da arte de destilação a seco de óleos. A arte não era usada apenas para perfumar, mas também nas cerimônias de adoração divina e em alguns processos terapêuticos. Além disso, os egípcios utilizavam gomas e óleos para embalsamar os mortos.

No entanto, somente durante os séculos XVI e XVII os óleos essenciais começaram a circular no comércio e a Aromaterapia ganhou mais visibilidade no mundo. O nome do método, aliás, foi criado em 1928 pelo químico francês Maurice René de Gattefossé.

Ao queimar seu braço e mergulhá-lo acidentalmente em óleo de lavanda, o especialista percebeu que a dor melhorou e em poucos dias o local queimado estava curado.

Desde então ele se dedicou ao estudo das propriedades terapêuticas dos óleos essenciais.

Para outros usos que incluem também a olfativa, recomenda-se a consulta com a nossa terapeuta Dra. Camila Midori Tatibana. Agende já sua consulta!